Pular para o conteúdo

Mark Zuckerberg defende a posição da Meta sobre o controle parental

  • por

Mark Zuckerberg, CEO da Meta, defendeu a posição da empresa sobre o controle parental durante uma audiência online sobre segurança nas redes sociais realizada no Congresso dos EUA na quarta-feira.

Zuckerberg afirmou que a responsabilidade do consentimento dos pais para menores usarem plataformas digitais, como as redes sociais, não deve recair sobre a empresa.

Em vez disso, ele sugeriu que a responsabilidade deveria ser da App Store (iOS) e da Play Store (Android), que já exigem o consentimento dos pais quando uma criança faz um pagamento com um aplicativo.

Zuckerberg acredita que os pais não devem ter que fazer upload de um documento para provar que são os pais de uma criança em cada aplicativo que seus filhos usam.

Ele sugeriu que a App Store e a Play Store devem notificar os pais sempre que uma criança baixar um aplicativo e oferecer consentimento para ele.

Esta não é a primeira vez que a Meta toma essa posição. Em 2023, Antigone Davis, chefe de segurança da empresa, argumentou que a responsabilidade pelo consentimento para uso de aplicativos por crianças e adolescentes deve recair sobre as lojas de aplicativos.

Os comentários de Zuckerberg vêm depois que a empresa enfrentou críticas por seu tratamento dos dados e da privacidade das crianças. A empresa tem sido alvo de escrutínio por seu papel na disseminação de desinformação, discurso de ódio e cyberbullying em suas plataformas.

Conclusão

A defesa de Mark Zuckerberg da posição da Meta sobre o controle parental destaca os esforços da empresa para mudar o foco das discussões sobre o controle parental para as lojas de aplicativos.

Embora a empresa tenha enfrentado críticas por seu tratamento dos dados e da privacidade das crianças, ela está tomando medidas para abordar essas questões.

A posição da Meta sobre o controle parental é um passo importante para garantir que as crianças estejam seguras online.